A greve geral de mulheres que tornou Islândia o país 'mais feminista do mundo'

  Milhares de mulheres em toda a Islândia participaram de atos por igualdade de direitos em 1975 Há 40 anos, as mulheres islandesas entr...


Foto: Olafur K. Magnusson
  Milhares de mulheres em toda a Islândia participaram de atos por igualdade de direitos em 1975

Há 40 anos, as mulheres islandesas entraram em greve –recusaram-se a trabalhar, cozinhar e cuidar das crianças por um dia. O momento mudou a forma como as mulheres eram vistas no país e ajudou a colocar a Islândia na vanguarda da luta pela igualdade.

O movimento também abriu espaço para que, cinco anos depois, em 1980, Vigdis Finnbogadottir, uma mãe solteira divorciada, conquistasse a Presidência do país, tornando-se a primeira mulher presidente da Europa, e a primeira mulher no mundo a ser eleita democraticamente como chefe de Estado.

Finnbogadottir ocupou o cargo por 16 anos –período que ajudou a fazer a fama da Islândia como "país feminista mais do mundo". Mas ela diz que nunca teria sido presidente se não fosse o que aconteceu naquele ensolarado 24 de outubro de 1975, quando 90% das mulheres do país decidiram demonstrar sua importância entrando em greve.

Em vez de ir aos seus escritórios, fazer tarefas domésticas ou cuidar de crianças, elas foram às ruas, aos milhares, para reivindicar direitos iguais aos dos homens. O movimento ficou conhecido como o "Dia de Folga das Mulheres", e a ex-presidente o vê como um divisor de águas.

Olafur K. Magnusson
Ideia de greve foi proposta por movimento radical de mulheres, mas foi adotada amplamente ao ser batizada como "dia de folga"

"O que aconteceu naquele dia foi o primeiro passo para a emancipação das mulheres na Islândia", disse. "Ele paralisou o país completamente e abriu os olhos de muitos homens".

Bancos, fábricas e algumas lojas tiveram que fechar, assim como escolas e creches – deixando muitos pais sem escolha a não ser levar seus filhos para o trabalho.

Houve relatos de homens se armando com doces e lápis de cor para entreter a multidão de crianças superexcitadas em seus locais de trabalho. Salsichas, fáceis de serem preparadas e populares entre crianças, sumiram rapidamente dos supermercados.

Foi um batismo de fogo para alguns pais, o que pode explicar o outro nome que o dia recebeu: "Sexta-feira longa".

"Ouvíamos crianças brincando enquanto os apresentadores liam as notícias no rádio. Foi uma coisa boa de se ouvir e saber que os homens tinham que tomar conta de tudo", relembra a ex-presidente.

Homens em casa 



Women's History Archive
Selo distribuído para participantes, com a frase 'Dia de Folga das Mulheres', durante os atos públicos em 1975


Apresentadores de rádio ligavam para casas em áreas remotas do país para avaliar como muitas mulheres da zona rural estavam passando o dia, mas o telefone era frequentemente atendido por maridos que haviam ficado em casa para tomar conta das crianças.

Durante a entrevista para a BBC em Reykjavik, Vigdis Finnbogadottir tinha em seu colo uma fotografia em preto e branco emoldurada do comício numa praça central na capital –o maior dos mais de 20 que foram registrados em todo o país.

Finnbogadottir, sua mãe e sua filha de três anos estavam entre as mais de 25 mil mulheres que se reuniram para cantar, ouvir discursos e falar sobre o que poderia ser feito para mudar o país. Foi uma participação enorme para uma ilha de apenas 220 mil habitantes.

Na época, ela era diretora artística da Companhia de Teatro de Reykjavik e havia abandonado os ensaios gerais para participar da manifestação, ao lado de outras colegas.

"Havia um grande poder nisso tudo e um grande sentimento de solidariedade e força entre todas aquelas mulheres que estavam na praça sob o sol", afirma.

Foto: EPA
Eleita em 1980, Vigdis Finnbogadottir foi a primeira mulher no mundo a ser escolhida democraticamente como chefe de Estado

Uma banda tocava a música tema do programa Shoulder to Shoulder, uma série da BBC sobre o movimento sufragista que havia sido transmitida na Islândia no início daquele ano.

As mulheres islandesas obtiveram o direito de votar há 100 anos, em 1915 –depois de Nova Zelândia, Austrália, Finlândia e Noruega. Mas nos 60 anos seguintes, apenas nove mulheres conquistaram assentos no Parlamento.

Em 1975, havia apenas três parlamentares mulheres, ou apenas 5% do Parlamento, em comparação com entre 16% e 23% nos outros países nórdicos, o que era uma grande fonte de frustração para a população feminina.

Novo nome

A ideia de uma greve foi proposta pela primeira vez por um movimento radical criado em 1970, o Red Stockings, mas algumas mulheres acreditavam que a ideia era muito agressiva.

"O movimento Red Stockings causou uma grande agitação pelo ataque que fazia às visões tradicionais das mulheres –especialmente entre as gerações mais velhas de mulheres que haviam tentado dominar a arte de ser donas de casa perfeitas", diz Ragnheidur Kristjansdottir, professora de História na Universidade da Islândia.

Mas quando a greve foi rebatizada de "Dia de Folga das Mulheres" teve apoio quase total, incluindo dos sindicatos.
Women's History Archive
Membros do comitê que organizou greve das mulheres em 1975

Entre as oradoras do comício de Reykjavik estavam uma dona de casa, duas parlamentares, uma representante do movimento de mulheres e uma trabalhadora.

O discurso final foi feito por Adalheidur Bjarnfredsdottir, chefe do sindicato de mulheres que trabalhavam em serviços de limpeza, cozinhas, lavanderias de hospitais e escolas.

"Ela não estava acostumada a falar em público, mas ficou conhecida com esse discurso, porque foi muito forte e inspirador", diz Audur Styrkarsdottir, diretora do Arquivo Histórico das Mulheres da Islândia. "Mais tarde, ela se tornou parlamentar."

Na preparação para o evento, os organizadores conseguiram que emissoras de rádio, de televisão e jornais nacionais fizessem reportagens sobre salários baixos de mulheres e discriminação de gênero. A greve também atraiu a atenção da imprensa internacional.

Mas como os homens se sentiram?

"Acho que no início eles pensaram que era algo engraçado, mas não me lembro de nenhum deles ficar com raiva", relembra a ex-presidente Finnbogadottir. "Os homens perceberam que, se eles fossem contra isso, perderiam popularidade."

Foto: Women's History Archive
Dia foi visto como divisor de águas na Islândia e abriu espaço para a maior participação de mulheres na política

'Acontecimento positivo'

Há relatos de que um colega de trabalho teria perguntado ao marido de uma das principais oradoras do comício: "Por que você deixa sua mulher gritar assim em lugares públicos? Eu nunca deixaria minha mulher fazer essas coisas". Ao que ele respondeu: "Ela não é o tipo de mulher que se casaria com um homem como você".

Styrmir Gunnarsson era na época o editor-chefe de um jornal conservador, o Morgunbladid, mas não era contra a ideia. "Eu acho que nunca apoiei uma greve, mas não vi essa ação como uma greve. Era uma demanda por direitos iguais... foi um acontecimento positivo", afirma.

Nenhuma das funcionárias do jornal trabalhou naquele dia. Gunnarsson diz que nenhuma delas teve o dia descontado do salário ou do saldo de folgas, e elas voltaram à meia-noite para ajudar a finalizar a edição, que foi menor do que a habitual: 16 páginas em vez de 24.

"A maioria das pessoas provavelmente subestimou o impacto deste dia naquela época –mais tarde, homens e mulheres começaram a perceber que tinha sido um divisor de águas", diz.

Cinco anos mais tarde, Vigdis Finnbogadottir derrotou três candidatos para a Presidência. Ela se tornou tão popular que foi reeleita sem oposição em duas das três eleições realizadas depois.

Olafur K. Magnusson
Meios de comunicação conservadores também apoiaram greve de mulheres e optaram por não punir trabalhadoras

Outras conquistas se seguiram. Listas apenas com mulheres começaram a aparecer nas eleições parlamentares de 1983 e um novo partido, a Aliança das Mulheres, conquistou suas primeiros cadeiras no Parlamento. Hoje, o país tem 28 mulheres no Parlamento, o equivalente a 44% dos assentos.

Em 2000, a licença paternidade paga foi introduzida para os homens e, em 2010, o país elegeu sua primeira primeira-ministra, Johanna Sigurdardottir –a primeira chefe de Estado abertamente gay no mundo. Clubes de striptease foram proibidos no mesmo ano.

A Islândia lidera o Índice Global de Desigualdade de Gênero do Fórum Econômico Mundial desde 2009, o que significa que é o país do mundo onde há mais igualdade entre homens e mulheres.

No entanto, a chefe de Iniciativas de Gênero do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês), Saadia Zahidi, ainda há trabalho a fazer.

"A presença de mulheres e homens na força de trabalho é quase igual –na verdade, as mulheres são maioria em todos os trabalhos mais qualificados–, mas elas ocupam cerca de 40% dos cargos de liderança e ganham menos do que homens nos mesmos cargos."

Mesmo assim, o impacto da greve e da eleição da primeira presidente foi rapidamente assimilado pelas novas gerações.

Quando Ronald Reagan tornou-se presidente dos Estados Unidos, em 1981, conta-se que um garoto islandês ficou indignado. "Ele não pode ser presidente – ele é homem!", disse ele a sua mãe ao ver a notícia na televisão. Muitas outras crianças do país cresceram acreditando que ser presidente era o trabalho de uma mulher.

Fonte: BBC Brasil
Nome

190 Abaiara Acarape Acaraú Acidente ACOPIARA AEB Agricultura Agronegócio Água Aiuaba Alcântaras Alerta Guaraciaba Altaneira Alto Santo Amontada ANA ANAC ANATEL Aneel ANP ANS Antonina do Norte ANVISA Apeoc Apple Aprece Apuiarés Aquiraz Aracati Aracoiaba Araripe Araripina Aratuba ARCE Arneiroz Artigos Assalto Assaré Assassinato Assembleia Legislativa Áudio Aurora Aviação Bahia Banabuiú Banco do Brasil Banco do Nordeste Barbalha Barreira Barro Barroquinha Baturité Beberibe Bela cruz Bem-Estar BID Bird BNB BNDES Boa Viagem BPRaio Bradesco Brasileirão Série A Brasileirão Série B Brejo Santo BRICS Cade CAGECE Caixa Camocim Campeonato Alemão Campeonato Cearense Campos Sales Canindé Caridade CARIRÉ Cariri Caririaçu Caririçu Cariús Carnaubal Carnaval 2014 Carnaval 2015 Cascavel Castanhão Catarina Catunda Caucaia CBF CBNN CCJ Ceará Cedro Centec CGE CGU Chaval Choró Chorozinho Chuvas CIA Ciência Ciência e Tecnologia Ciência sem Fronteiras Cinema Clima CNA CNBB CNH CNJ CNT CNV COELCE comunicação Concurso Copa do Brasil Copa do Mundo 2014 Copa do Mundo 2018 Copa do Mundo 2022 Copa do Nordeste Coreaú Correios Corrupção CPI Crateús Crato Creas Croatá Crônica Cruz CTTU Cuiabá Cultural Curiosidades Cursos Cururupu CUT DAE Delegacia de Defesa da Mulher DEM Deputado Irapuan Pinheiro DER Desta Destaques DETRAN Direitos Direitos Humanos Ditadura Militar DNIT DNOCS dólar DPVAT Drogas Economia Educação Eleições 2014 Eleições 2016 Eleições 2018 Embraer Empregos ENEM Energia Entretenimento Entrevista Ererê Esportes Estática Estradas Eventos F1 FAB facebook Faece Farias Brito Festa Fetraece FGTS Ficha Suja FIES FIFA Finanças FMI Forbes Forquilha Fortaleza Fotos FPM Frecheirinha Funai Funasa Funceme Futebol Futebol Cearense General Sampaio Goiás Google Governo Graça Granja Greve Groaíras Guaraciaba do Norte Guaramiranga Guerra Hidrolândia História HIV Horizonte HRN HSBC Humor IBAMA Ibaretama IBGE Ibiapaba Ibiapina Ibicuitinga IBOPE Ibovespa Icapuí ICASA Icó Idoso IFCE Iguatu IML incêndio Independência Inhamuns INSS INTA Internacionais internet INTERPOL Ipaporanga Ipaumirim Ipea IPHAN Ipu Ipubi Ipueiras Iracema IRAPUÃ PINHEIRO Irauçuba IRPF ITA Itaiçaba Itaitinga Itapajé Itapipoca Itapiúna Itaporanga Itarema Itatira IURD IVC Jaguaretama Jaguaribara Jaguaribe Jaguaruana Jaibaras Jardim Jati Jericoacoara Jijoca Jipoca Jovens Juazeiro do Norte Jucás Justiça Juventude Lavras da Mangabeira LGBT Limoeiro do Norte Lixo Loterias Maceió Madalena Maracanaú Maranguape Maranhão Marco Martinópole Massapê Mauriti MEC Meio Ambiente Mensalão Mercosul Meruoca Messejana Milagres Milhã Mineirolândia Missão Velha MMA Mombaça Mombaça. Monsenhor Tabosa Morada Nova Moraújo Morrinhos Mortalidade MP MPE MPF MPT MST MTST Mucambo Mulungu Mundo Museu Música Nacio Nacionais Nacional NASA Nordeste Nova Olinda Nova Russas Novidades Novo Oriente OAB OAS Ocara Oi Oitizeiro Olimpíadas no Rio OMC OMS ONG ONS ONU Operação Lava Jato Opinião Oportunidade Orkut Orós Óros Ouricuri OVNI PAC Pacajus Pacatuba Pacoti Pacujá Palhano Palmácia Paracuru Paraíba Paraipaba Parambu Paramoti Parari Partido Novo Paz PC do B PCC PCO PDT PEC Pedofilia Pedra Branca Penaforte Pentecoste Pentecostes Pernambuco Pesquisas Petrobras Petrolão PF PFL PHS PIB PIG Pindoretama Piquet Carneiro Pires Ferreira PIS PL Plantão Policial Playboy PM PMDB Poesia Polêmica Polícia Política Poranga Porteiras Potiretama PP PPL PPS PR PRB PRE Preconceito Prefeitos PRF Procon Programa Mais Médicos Pronatec PROS Protestos ProUni PRTB PSB PSC PSD PSDB PSDC PSOL PSTU PT PTB PTC PV Quiterianópolis Quixadá Quixelô Quixelõ Quixeramobim Quixeré Racismo Reajustes Rede Sustentabilidade Redenção Redes Sociais Religião Reriutaba Rio Banabuiú Rio de Janeiro Ronda do Quarteirão Rondônia Roubos RPF Russas SAAE Saboeiro Salitre Samu Santa Maria Santa Quitéria Santana do Acaraú Santana do Cariri São Benedito São Gonçalo São Gonçalo do Amarante São João São Luís do Curu São paulo Saúde Saúde e Bem-Estar SBT Sebrae Seca Segurança Sejus SENAC Senador Pompeu Senador Sá Serra Branca Serra da Ibiapaba Sertão Sertão Central SESI Sexo Sexualidade shopping Sine-IDT Sisu SISUTEC Sobral Solidariedade Solonópole SOU SPAECE SSPDS STF STJ STJD STM Subcelebridades SUS Suspeito Tabuleiro do Norte TAM Tamboril Tarrafas Tauá TCE TCM TCU Teatro Tejuçuoca Tênis de Mesa Tianguá Timorante TJCE Trairi Trânsito Transnordestina Transportes TRE TRF TRT TSE Turismo Tururu TV Twitter Ubajara UE UECE UEVA UFC UFCA UFRN Umirim Unesco Unicef Unifor Unilab UPA URCA Uruburetama Uruoca USP UVC Vale do Jaguaribe Valec varjota Várzea Alegre VEJA Venezuela Vestibular Viçosa do Ceará Vídeos Violência Vírus Vôlei Whatsapp Xadrez
false
ltr
item
Pauta Central: A greve geral de mulheres que tornou Islândia o país 'mais feminista do mundo'
A greve geral de mulheres que tornou Islândia o país 'mais feminista do mundo'
http://ichef-1.bbci.co.uk/news/ws/660/amz/worldservice/live/assets/images/2015/11/02/151102115931_islandia_624x415_olafurk.magnusson_nocredit.jpg
Pauta Central
http://www.pautacentral.com.br/2015/11/a-greve-geral-de-mulheres-que-tornou.html
http://www.pautacentral.com.br/
http://www.pautacentral.com.br/
http://www.pautacentral.com.br/2015/11/a-greve-geral-de-mulheres-que-tornou.html
true
5830841298513763942
UTF-8
Não foi encontrado nenhum post VER TODOS Continuar lendo Responder Cancelar resposta Delete Por Principal PÁGINAS POSTAGENS Ver Todos RECOMENDADOS PARA VOCÊ MARCADORES ARQUIVOS PESQUISAR TODAS AS POSTAGENS Nenhuma postagem foi encontrada com o termo pesquisado Voltar para Principal Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutos atrás 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais de 5 semanas atrás Seguidores Segue Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para desbloquear Copie todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para a área de transferência Se não consegue copiar os códigos/textos, por favor, pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar